O deputado federal Túlio Gadêlha (PDT-PE) ironizou, nesta quarta-feira (10), a ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves, em audiência na Comissão de Direitos Humanos e Minoria da Câmara dos Deputados. A auxiliar de Bolsonaro protagonizou diversas declarações controversas.

“Tenho percebido que vossa excelência é uma pessoa diferenciada, uma pessoa especial, por isso, me reporto a senhora como uma pessoa que merece um tratamento especial”, ironizou o pedetista.

Gadêlha, todavia, criticou a nomeação do advogado João Rodrigues Freitas como presidente da Comissão, visto que fere o princípio da impessoalidade e da moralidade. “A nova composição da Comissão de Anistia fere frontalmente princípios da impessoalidade e da moralidade, em virtude de ter nomeado um conselheiro que é contrário à concessão de anistia”, pontuou.

Freitas é autor de ação pedindo a suspensão do pagamento de indenização mensal de dois salários mínimos a 44 camponeses em 2010. “O presidente da Comissão de Anistia, ele não reconhece os atos da comissão de Anistia. Eu queria saber da senhora se irá manter esse cidadão à frente dessa Comissão tão importante para reparar os danos causados ao nosso povo, que é a Comissão de Anistia?”, questionou.

O pedetista destacou também a falta de políticas públicas duradouras dos governantes brasileiros. “Ninguém escolhe ser preso, Ministra. Da mesma forma que ninguém escolhe passar fome, que ninguém escolhe ser assassinado ou escolhe morrer soterrado em uma enchente. O que acontece é que, por falta de políticas públicas e por incompetência dos governantes, essas coisas acontecem”, disse.

Assessoria Imprensa

Crédito das fotos: Alexandre Amarante/PDT