A Flystar Empreendimentos Criativos é uma startup da economia criativa embarcada no Porto Digital do Recife. Com foco no impacto social e ambiental a empresa desenvolve personagens e narrativas originais em várias tecnologias para diversos clientes. Atualmente, a Flystar está produzindo a Turma da Joaquina, banda formada por animais que é liderada pela vira-lata Joaquina Traquina. O Pernambuco em Foco entrevista Patrícia Albuquerque, CEO da Flystar Empreendimentos Criativos.

Por Jadson d´Pádua

Pernambuco em Foco: Patrícia, o que motivou a criação da Flystar?

Patrícia Albuquerque: A Flystar surgiu do sonho e junção de 5 empreendedores culturais, a partir da ideia e criação do escritor, dramaturgo e historiador Adriano Marcena, que, à época, havia escrito um livro infantil intitulado Joaquina Traquina – uma vida de superação!
Eu e Gabriela Albuquerque, minha irmã e sócia, trabalhamos com produção cultural e artística fazia anos. Nós fomos alunas de Adriano Marcena, que nos convidou para tirarmos os personagens de um livro infantil que ele estava escrevendo à época e desenvolvermos um produto a partir desses personagens.
Inicialmente, teríamos que desenvolver um show de uma banda de bichinhos onde a diversidade era o mote dessa turminha. Nunca tínhamos trabalhado com produtos infantis, mas fazer shows e espetáculos musicais era algo comum para mim e Gabriela. Emocionamo-nos com a história da Joaquina e rescindi um contrato de intercâmbio cultural que iria fazer dali a 2 meses pela Europa por 8 meses, para abraçar essa ideia. Não deu 2 meses e resolvemos desenvolver produtos com a marca Turma da Joaquina porque vimos ali, uma oportunidade de negócio que ia além de shows de fantoches e transformamos o protótipo inicial em produtos de uma lojinha e dois tipos de shows.
Convidei a amiga e parceira de trabalhos Sonally Pires para ingressar nessa turma como produtora comercial e Adriano Marcena convidou o amigo Alberto Amaral. Inicialmente, éramos 5 sócios, hoje, somos 4, depois que Alberto Amaral saiu da sociedade para tocar outros projetos. Fomos amadurecendo e testando a ideia até convidarmos Paulo Melo, coach e CEO da Pickcells (startup de saúde premiada e embarcada no Porto Digital), para nos dar uma mentoria de negócios, apresentamos a ideia original e, para nossa surpresa, o mentor identificou a Turma da Joaquina como um produto exponencial e escalável, qualidades essenciais para uma startup. Logo após a primeira reunião de mentoria com Paulo Melo, o mentor nos aconselhou a transformarmos o sonho em uma empresa e nos orientou quanto ao processo de seleção do Porto Digital. O mais incrível é que nenhum dos 5 sócios à época, era de base tecnológica, o que não tem sido um problema, já que a formação empreendedora do Porto Digital, dá suporte e incentiva o desenvolvimento de projetos inovadores e por etapas, nos orienta quanto ao desenvolvimento, modelagem do negócio, maturação, lançamento do produto e crescimento do negócio. Submetemos à seleção do Porto Digital, fomos selecionados e aqui estamos, na reta final do processo, depois de muito aprendermos com o núcleo de gestão do Porto.
A Flystar acredita na educação de base como ferramenta poderosa e essencial para a transformação social. Um mundo mais humano e mais justo. É isso que propomos através das mensagens que nossos personagens carregamconsigo

 

 

Patrícia Albuquerque “Emocionamo-nos com a história da Joaquina e rescindi um contrato de intercâmbio cultural que iria fazer dali a 2 meses pela Europa por 8 meses, para abraçar essa ideia”.

 

 

 

 

 

Pernambuco em Foco: Fale-nos um pouco sobre a Turma da Joaquina.

Patrícia Albuquerque: A Turma da Joaquina é uma banda de bichinhos de rua muito divertidos. É inclusiva e tem o propósito de entretenimento educativo, usando a ludicidade como contribuição para estimular o aprendizado de forma dinâmica e divertida. O seu público-alvo são crianças de 3 a 7 anos (apesar de agradar as faixas etárias de 1 a 90 anos), através de suas músicas e mensagens positivas de inclusão, respeito às diferenças, ao meio ambiente e pela cultura da paz. Tudo isso de forma lúdica e muito divertida. De início, fazemos shows em escolas, teatros e prefeituras, com o primeiro desenho da Turma da Joaquina, entre outubro de 2017 a dezembro de 2018. Atualmente, estamos em fase de redesign dos personagens para lançarmos até outubro de 2019, o primeiro curta-metragem de animação da Turma e um espetáculo musical para o teatro. O redesenho veio em formato pensado na internacionalização do produto, para negociarmos as animações com os canais de web e TVs.
Imagine um mundo onde as pessoas se respeitem e não nutram o preconceito? Onde todos se comportem, amem e se curtam apesar de diferentes, trabalhando em equipe para solucionar os problemas do mundo. Imaginou? É aí onde Joaquina e seus amigos querem chegar e ela sempre repete que tudo isso que ela sonha é pra gente ser mais feliz!!!! Joaquina e seus amigos tem um sonho comum de mudar o mundo através de suas músicas e saem em busca de executá-lo! Joaquina vai longe!!!!
A Turma é formada por 6 animais diversos, cada um com características próprias inspiradoras para um mundo melhor. Sua líder e cantora a cadelinha vira lata Joaquina, as também cadelas baixista e baterista Preta Bull e Pandora, a gatinha pianista e gaitista Nina (lembrando que Nina não tem uma patinha e se supera tocando gaita e piano como forma de superação), o morcego Guto como guitarrista e o sapo Selva como percussionista (ele manda sempre avisar que não lava o pé, não é porque não quer! O problema é que os humanos jogam lixo nas lagoas e o sonho de Selva é proteger as águas do nosso planeta para que os sapos possam lavar os pés…).
A Turma se propõe a contribuir com a educação que traz no entretenimento educativo, a ludicidade estimulando o aprendizado de forma dinâmica e lúdica. Pensamos nesse formato, por acreditarmos na educação de base como ferramenta poderosa para a transformação social.

Pernambuco em Foco: Como a Turma da Joaquina gera impacto social?

Patrícia Albuquerque: A Flystar está sempre projetando formas de gerar impacto em seus produtos e modelo de negócio. Participamos de fóruns, treinamentos e grupos de impacto, onde nos atualizamos e aprendemos a investir uma parcela de nosso tempo e faturamento gerando impacto social e colaborando com a transformação do mundo.

Além das mensagens que a banda leva em suas músicas e produtos, nós trabalhamos com one to one, onde a cada show vendido, oferecemos um show gratuito para dar acesso às classes quem não podem pagar pelos nossos produtos. Esse modelo de negócio é uma forma de impactar o mundo causando o bem. Como visão de futuro, pretendemos licenciar nossos produtos para grandes empresas e em contrato, constar formas de acesso à população de baixa renda. Temos incluído esse pilar em nosso planejamento estratégico, para antecipar essas formas de modelarmos o negócio para estarmos preparados quando os licenciadores chegarem.

Pernambuco em Foco: O empreendedorismo cultural ainda é pouco utilizado pelos produtores pernambucanos que ficam à míngua dos editais públicos. A Economia da Criativa para algumas linguagens é só criativa e pouca economia. É viável empreender em cultura?

Patrícia Albuquerque: Sim é muito viável! A viabilidade depende de alguns pilares que o empreendedor deve ficar atento. Uma boa ideia sem um bom planejamento é um negócio de risco e tende a falhar em seu faturamento. Gestão de negócios deve ser levada muito a sério, qualquer empresa que busque empreender de forma escalável por um bom faturamento, deve se preparar e ter um bom network, planejamento financeiro real, plano de comunicação eficiente, plano de marketing capaz ,uma equipe engajada e competente, esses fatores são as chaves para o sucesso. Não basta ter uma boa ideia, o segredo está na execução.

Pernambuco em Foco: Que dicas você daria àqueles que desejam empreender em economia criativa?

Patrícia Albuquerque: Crie uma ideia inovadora. Saia do comum, procure um diferencial na sua ideia. O que você faz que a concorrência não faz? Estude o mercado que você quer empreender. É importante saber o que está acontecendo no mundo com esse tipo de negócio que você se propõe a investir. Analise sua ideia junto a um mentor de empreendedorismo. Esse pessoal com toda expertise no mundo empreendedor, poderá enxergar caminhos mais competentes de desenvolvimento da sua ideia. Tenha obsessão pelo usuário. Pesquise com seu público-alvo o que ele quer e não pense que fazemos negócios para nós mesmos. O empreendedor faz negócios para seus clientes, então quem tem que estar satisfeito com seu produto? Vá ao Sebrae, ao Porto Digital ou a outras incubadoras de negócios inovadores. Se submeta a um programa de treinamento, a uma metodologia atual. Em Recife, temos a mentoria de Paulo Melo, CEO da Pickcells como referência e ele é nossos olhos experientes em se tratando da Turma da Joaquina. Também contamos com o experiente Erick de Albuquerque do Inspirando Sonhadores (procure o perfil no Instagram e aprenda com o Erick). Essas metodologias e mentorias são de muita ajuda a quem deseja empreender com sucesso. E por fim, planeje, planeje, planeje e execute, sem medo de errar. Empreendedor não tem sucesso sem planejar, executar e errar. Errou? Conserte e recomeçe!

                                                 

Contatos:

(81) 996073350 /@flystarempreendimentos /Turma da Joaquina Flystar – Empreendimentos Criativos

www.flystar.com.br
turmadajoaquina@flystar.com.br