Direto de Brasília-DF.

GOLPISTA: COMITÊ DE MONITORAMENTO E AUDITORIA DE SEGUROS PRIVADOS  – SUBSEÇÃO DE PAGAMENTOS, LOCALIZADO EM SANTOS/SP 

ASSUNTO DA NOTIFICAÇÃO: AVISO AO CONTRIBUINTE – RESGATE DE FUNDO DE PREVIDÊNCIA PRIVADA

VÍTIMA: Uma Senhora aposentada, na cidade de Taguatinga-DF

SUPOSTO VALOR A SER PAGO À APOSENTADA: R$ 69.913,37 (Sessenta e nove mil, novecentos e treze reais e trinta e sete centavos)

A advogada Eliane Caetano, da Seccional OAD-DF recebeu telefonema de uma amiga a fim de contratá-la para averiguar uma NOTIFICAÇÃO recebida por sua mãe através dos CORREIOS, informando sobre uma polpuda quantia em dinheiro a que supostamente teria direito. 

O Valor como você pode ver no início desta matéria é alto e seria referente “a parcelas pagas de forma compulsória”. A advogada Eliane Caetano, então, telefonou para Santos-SP e foi prontamente atendida por um tal “Dr.Júlio César”. Indivíduo falante, articulado como costumam ser os estelionatários.

Indagado sobre a NOTIFICAÇÃO o tal Dr.Júlio César, disse que os valores seriam pagos à aposentada em razão de “a previdência privada ser desativada”; que os valores seriam creditados diretamente em conta corrente ao invés de serem pagos por meio de PRECATÓRIO.

De fato, quem lê a NOTIFICAÇÃO observa que existe certa sofisticação no golpe, que envolve o suposto COMITÊ e a PGFN – Procuradoria Geral da Fazenda Nacional.

A advogada Eliane Caetano ficou desconfiada, mas falou ao tal Dr. Júlio César para depositar os valores indicando os dados da conta corrente de sua cliente e, por precaução resolveu consultar o Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público – Pasep, criado pela Lei Complementar nº 8, de 03.12.1970, com o intuito de estender aos funcionários públicos os benefícios concedidos aos trabalhadores da iniciativa privada pelo Programa de Integração Social – PIS, e descobriu  que a servidora pública aposentada nada tinha a receber.

O golpista, o tal Dr. Júlio Cesar, por meio dos telefones (13) 4106-1751 e (13) 4106-1766 constantes na NOTIFICAÇÃO, em Santos-SP, informou que seria necessário que a Advogada Eliane Caetano enviasse procuração outorgada pela servidora aposentada, a fim de receber os valores.

Um dia após o envio da procuração por e-mail, a servidora aposentada recebeu um SMS em seu celular informando um suposto crédito do valor de R$ 69.913,37, em sua conta corrente no Banco do Brasil S.A., porém, bloqueado por 24 horas. 

A advogada Dra. Eliane Caetano, contratada pela aposentada, resolveu telefonar para o tal Dr. Júlio César que disse que os valores estavam retidos porque a aposentada precisava pagar o “tributo” no valor de R$ 6.991,33 (Seis mil, novecentos e noventa e um reais e trinta e três centavos), conforme consta na NOTIFICAÇÃO. 

A advogada, então, indagou se ele não achava estranho que sua cliente tivesse de pagar qualquer valor antes mesmo de receber seu crédito devido. O Tal Dr. Júlio César, então, disse que queria falar diretamente com a cliente para explicar tudo a ela. Dra. Eliane disse que tudo que tivesse a dizer deveria dizer a ela, como advogada da servidora aposentada.

Então, o tal Dr. Júlio César disse que negociaria o valor e que a aposentada poderia depositar R$ 2,600,00 (Dois mil e seiscentos reais). Informado pela Advogada Eliane Caetano que tributos somente são pagos ao Estado, Júlio César insistiu que mandaria o boleto pelo Whattsapp.

Já desconfiada, mas querendo saber até onde iria a fraude, Dra. Eliane contratou uma advogada correspondente na cidade de Santos-SP, para que fosse averiguar pessoalmente se o suposto COMITÊ existia no endereço indicado na NOTIFICAÇÃO.

A advogada correspondente foi ao endereço indicado e confirmou as suspeitas. O tal COMITÊ NÃO EXISTE! Aliás, a advogada correspondente informou por telefone que no local há um condomínio residencial. Falou com a Síndica e esta disse que já era a TERCEIRA advogada que procurava pela existência do tal COMITÊ DE MONITORAMENTO E AUDITORIA DE SEGUROS PRIVADOS. 

Época de fim de ano é preciso redobrar a vigilância. Há muitos golpes e, alguns, sofisticados, pelos quais estelionatários querem obter vantagem ilícita por meio de fraude.

Esteja atento! Confira suas faturas item por item e saiba que órgão público algum te pede dinheiro por e-mail, telefone ou redes sociais.

Encaminhei Representação com cópia desta matéria, fotos e documentos que me foram repassados por Dra. Eliane Caetano, ao Ministério Público Federal para as providências que desejar tomar.

Cuide-se bem!