Por: Jadson d´Pádua

A mente doentia da ganância abrangendo diversos comparsas na formação da bandidagem que saquearam os cofres da nação é algo espantoso. Observamos uma corja de abutres que rondeiam o erário público, a quadrilha em parte já encarcerada, vibram com a liberdade de celebridades de todas as áreas sociais que os defendem, ou que defendem aqueles que herdaram as chances de ocuparem cargos públicos e continuarem de alguma forma surrupiando o dinheiro público.

Nestas eleições felizmente o povo teve a oportunidade de conferir os saltimbancos. “Mas vale aqui uma correção quanto ao termo saltimbancos, que significa atores nômades que fazem apresentações em varias localidades em troca de dinheiro ou comida e hospedagens’ Nos parece que no Brasil os saltimbancos preferiram saquear os recursos públicos do Ministério da Cultura, uma vergonha, sabermos que músicos que até antes tinham um legado de respeito ao se unir e defenderem políticos corruptos demonstraram que seu legado é uma farsa, e que eles devem cair no esquecimento da opinião publica como artistas, e ocupar o espaço que eles defendem que é serem defensores de CORRUPTOS para se aproveitarem dos recursos públicos na Cadeia.

A lista de artistas envolvidos nos uso dos recursos do Ministério da Cultura é ampla devemos sempre consultar, até mesmo por que não vale a pena pagar ingresso para assistir aos shows, peças teatrais , ou mesmo adquirir seus Cds,  já que eles optaram por surrupiar os cofres públicos em seu próprios benefícios, com o apoio destes governantes CORRUPTOS.

De fato, alguns artistas são tão artistas que também ocupam altos cargos públicos, talvez seja por isso que estão sempre tão unidos na defesa dos seus ídolos da CORRUPÇÃO. Ainda bem que em todas as categorias existem os que não se enquadram na convivência digna social, como as Damas e Senhores da Corrupção, que se utilizam de frases de efeitos que objetivam manipular o pensamento de uma parcela da sociedade, que vinha tornando-se prisioneiros das políticas assistencialistas desenvolvidas por políticos corruptos, fato comum no passado e que se perpetuam na mente das Damas e Senhores da Corrupção, que descaradamente afirmam em sua grande maioria que os valores destinados a eles via Lei Rouanet são ditos como simples ajuda, e que ajuda, algo em torno de R$ 60 milhões, enquanto eles e elas dizem que o que eles saqueiam não é nada, faltou R$ 600 mil para salvar o museu Nacional.

E ai Damas e Senhores beneficiados da Lei Rouanet, ajudem o Museu Nacional. Felizmente o plantel artístico Nacional conta com virtuosos exemplos de dignidade e ética, estes sim são ícones, são os verdadeiros Senhores e Damas da Arte, são àqueles que disseram NÂO a Corrupção, NÃO aos Desvios dos Recursos Públicos da Cultura.

São vários os que fazem parte desta respeitosa posição, aqui parabenizamos o cantor sergipano, Djavan, alias em sua entrevista para o Jornal Folha de São em matéria produzida por Thales de Menezes o compositor revelou sobre a Lei Rouanet que: “Nunca usei e nunca vou usar. Não gosto de fazer show, nem para prefeitura. Quem vai pagar? Se é o povo eu não quero. Rejeitei muitos convites. Eu nunca usei por que não preciso e não acho que deva usar um dinheiro que pode ser melhor aplicado.” Parabéns nobre e celebre artista brasileiro, sua atitude é um exemplo do qual muitos artistas oportunistas deveriam se espelhar, o nosso Blog lhe deseja sucesso, sem dúvida alguma Djavan é digno de grandes resultados favoráveis ao respectivo empreendimento.

Resultado de imagem para acordes