Por : Jadson d´Pádua

Nas eleições deste Ano 2018, a mídia e a imprensa ganham destaque especial, alguns meios de comunicação apresentam matérias duvidosas, percebem-se alguns jornalistas tendenciosos a partidos, ou candidatos, tais constatações de cunho tendencioso evidenciam a forma como lidam com a democracia.

O povo tem demonstrado ao longo dos tempos que amadureceu politicamente, e este amadurecimento vai além de discursos ideológicos desgastados e falidos matérias que defendem tais argumentos, que muitas vezes são reproduzidos por parte da imprensa, ou da mídia de forma tendenciosa.

A sociedade brasileira ao reavaliar entre um período político e outro da nossa história, decide por viés próprio o seu entendimento diante dos fatos revelados pelos atores sociais em questão, construindo a verdadeira imagem do que eles representam, haja vista que após a promulgação da Constituição de 1988 em 05 de outubro, de tudo ou quase tudo na política já se viu neste país, inflação estratosférica, no início dos anos 90, Impeachment de dois presidentes, inclusive um de esquerda, empresas estatais sucateadas como Correios, Petrobras, EMBRAER, e inúmeros casos de corrupção, inclusive com a prisão de um Ex-presidente da República, alguns ministros e empresários, enfim, um Estado amplamente duvidoso, Executivo, Legislativo e Judiciário, desacreditados, sendo mencionados em notícias que antes apenas estavam reservados em noticiários policiais, hoje compõem uma avalanche de denúncias sinistras.

Todas estas situações citadas se tornam de suma importância na análise política e social, em que na hora de escolher um candidato a presidente da República tais informações passam a ter profunda influência na decisão do eleitor. Sendo assim, entendemos que não cabe a imprensa e ou a mídia se posicionarem em defesa destes personagens nocivos a democracia.

A população diante de várias opções de noticias, como as redes sociais formalizam seus conceitos, esta parcela da sociedade buscam a seletividade, com informações mais confiáveis dos meios de comunicação, a população já identifica as matérias duvidosas, ou fora da realidade. Neste patamar o repúdio a notáveis jornalistas ( Ancoras), ou as emissoras de Rádio, Televisão e Jornais, contribui para o descrédito, por apresentarem insistentemente matérias tendenciosas, ao candidato ou ao partido A ou B. Parece que o cidadão não só está excluindo políticos CORRUPTOS, o cidadão está excluindo aqueles que de alguma forma estão tendenciosos a defenderem tais políticos, colocando-os no mesmo patamar.

Para o cidadão estes comportamentos adotados pela imprensa ou pela mídia, salvo as exceções, se equiparam a FAKE NEWS ou pior que isso. Diante das transformações comportamentais do eleitor nestas eleições de 2018, o descrédito que envolve a notícia se apresenta verdadeiramente como “algo jamais visto na história deste país”, pois o cidadão vem formalizando uma leitura ampla, de tudo que está acontecendo no espaço político e que vem sendo propagado como notícia.

Vale ressaltar que para o cidadão eleitor neste contexto se destacam aqueles que veiculam notícias verdadeiras e que se colocam em pleno estado DEMOCRÁTICO, em que a verdade e nada mais do que a PLENA verdade sejam publicadas.

É desta forma que nos posicionamos, pois essa é a missão do “PERNAMBUCO EM FOCO”.

Eu Nasci a Dez Mil Anos Atrás
Autor: Raul Seixas.

“Eu vi Moisés. Cruzar o Mar Vermelho. Vi Maomé Cair na terra de joelhos. Eu vi Pedro negar Cristo Por três vezes Diante do espelho Eu vi……”