Por: Jadson d´Pádua

Recentemente observou-se em um jornal de grande circulação em nossa cidade como matéria de capa, a opinião da extremista política francesa Marine Le Pen, conforme matéria divulgada fica clara sua opinião política no que se refere às eleições presidenciais no Brasil de forma tendenciosa a um dos candidatos, acreditamos que tal postura seja apenas a opinião da entrevistada, tão somente e apenas a dela, muito embora não seja exatamente isso que possa ser entendido. A francesa apresenta no contexto político de seu país uma postura duvidosa quanto à idoneidade que envolve o seu partido político, haja vista que lá na França o partido que ela representa tem muito que se explicarem as autoridades daquele país em virtude do envolvimento com a corrupção, coincidência ou não, a situação que envolve a corrupção do partido que ela representa é muito semelhante ao grupo político que ela defende nas eleições aqui no Brasil. Segundo os noticiários que circularam na França nas eleições de 2017, disputado em dois turnos assim com aqui no Brasil, lá o resultado foi o seguinte: O Candidato Emmanuel Macron (eleito) obteve 66,10%, enquanto a extremista Marine le pen obteve 33,90% dos votos (Fonte Wikipédia). Um dos fatores destacados na eleição francesa contra a candidata foi as denúncias de corrupção, Segundo as denúncias constam que: A líder de extrema-direita se recusou a ir ao Ministério Público Francês para fazer declaração, mostrando o pretexto de “Imunidade Parlamentar”. O Parlamento Europeu decidiu cortar pela metade o salário da líder da extrema-direita francesa por desvio de recursos. A deputada e candidata à presidência da França, Le Pen teria que restituir 340 mil euros, mas se negou, argumentando que essa é uma estratégia da oposição para prejudicá-la. Le Pen é investigada desde março de 2015 pelo Escritório Antifraude Europeu (Olaf) por mau uso de recursos na contratação de funcionários que não atuariam no Parlamento Europeu. (Fonte:www.dw.com / e http://g1.globo.com/jornal-nacional/noticia/2017/05) Diante dos fatos ocorridos na França, acreditamos que já temos maus exemplos por demais em nosso país, não precisamos exportar outros maus exemplos quando nem mesmo estamos colocando um fim nos nossos próprios maus exemplos de Corrupção. Assim como se tem lutando no combate às Fake News, se faz necessário analisar as matérias publicadas, afinal o papel maior da imprensa é informar os fatos, e se tratando de pessoas públicas no contexto político, que sejam apresentados seus serviços para uma análise mais detalhada, tudo isso na busca de melhor informar aos leitores. Bom diante de maiores detalhes fica claro que a entrevistada francesa parece ter uma imagem pública não muito confiável, isso para os Franceses conforme o resultado das eleições de lá. Sendo assim o que podemos avaliar das suas opiniões no que se refere ao Brasil? Segundo o dito popular: Cada um no seu quadrado. Ou em bom Francês: “Chacun dans son Carré”